quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Enterrem seus príncipes



Princesas...

Enterrem seus príncipes
Eles já são defuntos
De um castelo que caiu.

Bonecas...

Lavem suas roupas
Troquem seus brincos
Vistam um novo sorriso.

Rainhas...

Saiam do trono
Guardem o triste travesseiro
Sepultem suas sandálias

Amantes...

Abram seus olhos
Acordem os pulmões
Liberte o coração

Mulheres...
O Relógio Ainda bate
O sino Ainda toca
O mundo Ainda gira
E a música Ainda toca.

Mulheres, Amantes, Rainhas, Bonecas e Princesas ...

Sepultem seus defuntos.

DNA

08/09/2017
DNA
01h11

Duas garrafas de água



Duas garrafas de água cheia
Sobem a escada de cimento
Não há luz e os degraus
Testemunham uma sentença.

Duas garrafas de água cheias
Lado a lado sobem as escadas
Elas não se misturam
E continuam em duas garrafas.

Duas garrafas de água cheia
Sobem os degraus gelados
Uma garrafa já está destampada
E derrama água pela escada cinzenta

Duas garrafas de água
Sobem todos os degraus
As duas continuam sendo garrafas
Mas  uma garrafa de água
Já não está mais
CHEIA!

DNA
08/09/2017
* isqueiro , insta,esgoto

sábado, 15 de abril de 2017

Nota de liberdade

Uma nota de liberdade

Como uma musica tema assim sigo a vida
Entre acordos passageiros levo a sigla infinita
Que busca acordes de liberdade
nesta vida tão bandida.

Ha quem diga que sou inquieta
E que arrasto muitas vidas
Mas sou menina moleca
Que corre pra ser erguida.

Tudo vira um grande brincadeira
De gira gira de menina
Mas a vida é passageira
E muda o centro dessa menina

Muita saudade nessa música
De gente que já foi querida
Mas despeço com tristeza
é só mais um novo voo menina.

O coro é sempre difícil
Pois renuncia os acordes meninas
Para entrar na bossa nova
Que não efácil ser sentida

Entre a fé a certeza
Cresce a liberdade não compreendida
Mas sou menina grande passageira 
Que confia na sinfonia

Ao amor deixo  uma porta
Pois me atrevo e sou exibida
mas não ache que sou escrava
Desta coisa que e finita.

O tempo sempre ganha força
Pois  respeito com dedicação 
Não o gasto com  qualquer coisa
Nem que seja um tipão 


A morte tenho um acordo
Pois isso sim  é  fim certo
Traz um novo renascimento
Mas não a quero agora perto.


E aqui se vai a ultima estrofe
Com notas de despedida da  antiga,
Só renasce quem se joga 
Neste mistério da vida, menina.

DNA
Daíse Nascimento do Amaral
16/04/2017

Lisboa /Portugal

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

covil

Covil

Num beco acordo
Entre negativas e abusos
E exploração das possibilidades 
Com interesses de umbigo.

A cada hora 
O mesmo beco
Sem sair e nada receber
Só sensações de obrigação.

São pessoas e coisas que passam e carregam 
Seus sonhos, seu trabalho, sua força 
É tudo no  interesse
Interesses de umbigo.

Outras mais claras  outros mais ardilosos
Mas todos com caminho
O sugar e nada dar
Interesses de umbigo.

Neste beco não saio
E vou enterrando sonhos
Regando com lágrimas 
De esperanças cansadas
Cansadas destes tais Umbigos.!

Dna 21h42
10/10/2016

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Círculo

Círculo

Sensação estranha
Essa de ficar imóvel
Só observando
O tempo, as ações , as pessoas.

Quanto mais tempo passa
Menos se conhece
As pessoas, as ações , o tempo.

Da poltrona para a cama
Da cama para a varanda
E tudo numa lentidão vazia
De observar o tempo, as ações e as pessoas.

A cada fim um  inicio
De um círculo vicioso
Onde o fazer é constante
Mas nunca se conhece
As pessoas, as ações e o tempo.

Novas viradas, novos ares
Novas cadeiras, luzes e copos
Mas tem um fundo constante
E nada se muda no tempo, nas ações e nas pessoas.

É tudo velozmente estático
É tudo sufocadamente repetido
É tudo infelizmente igual
Nesse tal de tempo, nessas ações e nessas pessoas.

E assim, o cenário muda
Mas na verdade nada muda
No tempo, nas ações e nas pessoas.

Daíse Nascimento Amaral
DNA

03/10/2016

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Eh soh um flash.


Questao de minuto.
 Mar de euforia.
Tudo pra quem?
Pra onde?

O VASO parece nao Ser mais de barro.
Ele eh de cristal
Tem luz e cega o ambiente.

Quanto vale um momento
Qual a razao de um sorriso
POR QUE ACORDAR TODO DIA.

Para um espelho?
Para uma escada?
Para um sonho?

"Tudo vale a pena
Se a alma nao eh pequena"
Como saber o tamanho da alma.

Como nao trocar um barro
Por um prato de vidro com  lentilha.

A cada nova luz tudo afina.
E uma lagrima aumenta um rio secreto
De que o mundo continua um flash.

Flash do "upgrade"
Flash do dinheiro
Flash do orgulho


E a alma se fecha
Desfila para um corredor peconhento
Mais escuro .

Eh o flash?
Jah foi!!!

Daise Amaral
10/09/2015

terça-feira, 9 de junho de 2015

"alma cansada"




Dor de alma.

Consciencia de um caminho
Caminho que perdeu a graca.
"Sao  pedras no caminho."
Onde o louco  faz sua toca.
Para atacar o samaritano
E a duvida cresce no amago.

Pra que? Por que?

De onde nasce tanto fel
De onde vem esta nuvem?
Que escurece e contamina o clima.
Que faz e desfaz na discussao.
De onde nasce esta ditadura pra que serve a liberdade?

Quem te autorgou o direito
De cuspir nas leis da educacao??
Onde esta o crivo entre a arte e a classe?

Abaixo aos loucos.
Eles sugam o amor e
Planta o  odio .

Quem foi que disse que eh assim.
Sou criada na palma e aquecida na la.
Sou forjada no fogo e resfriada na agua.
Mas nao afino com odio
O alimento do rancor.
A minha palavra eh amor.